A demanda clínica para o atendimento de crianças e adolescentes é crescente; intervenções bem estruturadas abreviam o tempo do processo terapêutico e promovem resiliência nessa importante etapa da vida. A T.R.I. é a forma abreviada de “Terapia de Regulação Infantil” e ainda forma o acrônimo – Trabalhe as suas Emoções; Recicle os seus Pensamentos e Inove os seus Comportamentos. É um dispositivo desenvolvido pelos psicólogos Renato Caminha e Marina Caminha, formado por duas modalidades de intervenção: a primeira utilizada para o tratamento de contextos clínicos como depressão e ansiedade e a segunda com aspecto preventivo para trabalhos em grupo em instituições escolares, postos de saúde ou grupos comunitários. A T.R.I. é composta em sua estrutura fundamental por cinco instrumentos denominados pelos autores como ferramentas de acesso a criança: Baralho das Emoções, Baralho dos Pensamentos, Baralho dos Comportamentos, Baralho da Regulação e Proficiência Emocional e Caderno de Terapia. Tais instrumentos sustentam os princípios básicos que as psicoterapias cognitivas trazem em seu modelo axiomático, desse modo, possibilitam uma psicoterapia e um modelo preventivo nas bases cognitivo comportamentais. Foi desenvolvida no intuito de formalizar uma intervenção do início ao fim do processo psicoterapêutico com a criança, levando em conta que protocolos de infância, de um modo geral, são parciais e direcionados a um funcionamento psicopatológico específico. Nos dias de hoje as pesquisas científicas apontam cada vez mais para a importância do desenvolvimento emocional, ou seja, a capacidade da regulação das emoções, bem como das cognições e comportamentos na promoção de resiliência e consequentemente saúde mental. Atualmente este modelo faz parte de nosso ambulatório no InTCC-RS integrando protocolos de pesquisa de eficácia. BARALHO DAS EMOÇÕES: acessando a criança no trabalho clínico.

Instrumento que visa o trabalho psicoeducativo com as crianças e adolescentes acerca do reconhecimento, evocação, verificação de intensidade e frequência de ativação das emoções, bem como da adequação entre emoções e respostas comportamentais. Ajuda o desenvolvimento da empatia e consequente incremento de socialização.

BARALHO DOS PENSAMENTOS: reciclando ideias, promovendo consciência.

Instrumento que visa trabalhar com a criança e com o adolescente a relação existente entre os pensamentos, ou seja, a interpretação, os processos cognitivos derivados das emoções e a relativa consequência na manutenção de emoções e comportamentos negativos. O instrumento possui também um mapeamento cognitivo das principais cognições associadas as emoções consideradas básicas como: alegria, amor, tristeza, raiva, medo e nojo e a relação das mesmas com as principais patologias de humor e ansiedade na infância e adolescência.

BARALHO DOS COMPORTAMENTOS: o efeito bumerangue.

Instrumento que visa trabalhar com a criança e o adolescente o espectro dos comportamentos derivados de comportamentos que ajudam e que não ajudam. O comportamento é aqui entendido e relacionado ao processamento emocional e cognitivo apontados nos instrumentos anteriores. Serão trabalhadas classes comportamentais no intuito de desenvolvermos comportamentos mais cooperativos e com maior índice de empatia e socialização.

BARALHO DA REGULAÇÃO E PROFICIÊNCIA EMOCIONAL: a biologia das emoções.

Instrumento que visa trabalhar com a criança e o adolescente as emoções através da diversidade étnica e da tipologia física. Temos a emoção expressa através do corpo e a inclusão de ações de reparação emocional, bem como de regulação fisiológica das emoções por meio dos exercícios de respiração, relaxamento e acalmando a mente. Nos exercícios vivenciais vamos explorar a expressão emocional em toda a sua amplitude, dai deriva a ideia contida no título de proficiência emocional, ou seja, ensinamos às crianças o domínio amplo e pleno da expressão e compreensão das emoções.

MEU CADERNO DE TERAPIA: processo de terapia TRI.

Além de fortalecer exercícios das etapas T (trabalhe suas emoções), R (recicle seus pensamentos) e I (inove seus comportamentos), o material acaba por servir como uma interlocução entre família-criança-terapeuta e também como um registro da terapia ou mesmo um prontuário que o paciente leva consigo no desfecho do processo terapêutico.

Carga horária: 20 horas aula (4 turnos) 1 2345